29 novembro 2018

Dicas obrigatórias para quem quer ter um e-Commerce

Por ren9ve em e-Commerce

Muito se fala sobre e-Commerce, seja em sites que se visitamos na internet, nos anúncios que encontramos online, em uma conversa informal com os amigos, em palestras sobre os avanços tecnológicos, o e-Commerce está em toda parte. No entanto, a grande maioria das pessoas só ouviu falar nessa palavra e não faz ideia de qual seja o seu real significado.

 

Você sabe o que é e-Commerce?

E-Commerce, em uma tradução livre do termo, quer dizer comércio eletrônico, para os leigos, isso significa ter apenas uma lojinha virtual, mas o conceito desta palavra vai muito além disso. Mas cuidado, todo e-Commerce é uma loja virtual mas nem toda loja virtual é um e-Commerce.

Uma loja virtual para ser caracterizada como um e-Commerce precisa vender apenas os produtos da marca que ela representa, caso este site possua a participação de mais de uma empresa no mesmo local, se torna um Market Place.

É algo extremamente comum confundir essas duas atividades, o Market Place é identificado como um site onde diversas marcas vendem no mesmo lugar os seus produtos, enquanto algumas delas podem possuir e-Commerce próprio ou não.

O número de adeptos ao e-Commerce está aumentando cada dia mais, pois essa forma de comércio e trabalho se enquadra muito bem no perfil do empresário brasileiro moderno.
Além de envolver tecnologia e conectividade, o e-Commerce também tem um bônus muito especial que é o conforto. Com a expansão das pessoas que trabalham em seus Home Office.
Em outras palavras, levam para dentro de casa o trabalho e, dentre esses profissionais estão funcionários de empresas que trabalham neste formato, ou até mesmo entre autônomos e freelancers, a prática do e-Commerce vem se popularizando.

De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, o segmento faturou cerca de R$ 69 bilhões em 2017 no país, com mais de 220 milhões de compras online.
O crescimento deste setor a nível mundial foi de 17%, sendo que os produtos voltados aos ramos de telefonia e tecnologia apresentaram um aumento de 43% em relação ao ano anterior, a projeção é que 2018 feche com índices ainda maiores no comércio eletrônico no Brasil.

Além de todas essas vantagens, o e-Commerce não tem horário fixo, alguns adeptos a esta atividade utilizam de suas lojas virtuais como uma maneira de complementar a renda, trabalhando em horário comercial em outras funções e deixando o e-Commerce para os finais de semana, férias e em horários que se tenha disponibilidade.

É uma boa vantagem, pois enquanto você trabalha em outras atividades, viaja, ou até mesmo dorme, seu negócio está funcionando, a internet nunca para, e a sua abrangência geográfica é imensurável, clientes conhecem o seu produto a todo momento, vários adquirem, pagam e em um piscar de olhos, o e-Commerce traz ainda mais lucros do que você esperava.
Não pense que é apenas adquirir uma plataforma de e-Commerce que em poucos minutos tudo estará pronto, possuir produtos e um domínio é a etapa mais simples, o que demanda tempo, esforço e energia para que se realize tudo o que você sonha e que traga bons resultados é o planejamento do seu negócio virtual.

Planejando o seu e-Commerce:

Existem dois tipos de profissionais que trabalham com e-Commerce, aqueles que tem a sua loja virtual como a única fonte de renda e também aqueles que usam a atividade nas horas vagas para ter um ganho extra no final do mês.
Cada um desses perfis deve ter um planejamento específico, enquanto o segundo deve prestar ainda mais atenção no seu e-Commerce, já que tecnicamente terá menos tempo para gastar nesta atividade.

e-Commerce como única fonte de renda:

A maior parte dos brasileiros sonha em trabalhar por conta própria, ser dono do seu próprio negócio, sem horário pré-estabelecido, sem ter que seguir ordens de nenhum chefe, sem colegas inconvenientes, e o melhor, diretamente do conforto da sua casa.

Em virtude deste desejo que a cada dia aumenta o número de MEI’s (Microempreendedores Individuais). Nada como trabalhar sem ter ninguém para dar ordens, fazer o que bem entender, quando, como e onde quiser, certo? Não, para se ter sucesso no ramo independente que escolheu, muitas vezes você tem que trabalhar muito mais do que trabalhava anteriormente.
Aos que desejam possuir um e-Commerce como a sua única fonte de renda, é necessário usar essas duas armas ao seu favor: Disciplina e um bom planejamento.
De nada adianta colocar a plataforma de e-Commerce no ar e não trabalhar o máximo que puder para se obter os lucros desejados. Antes disso, existe um passo muito importante, como já mencionado, o planejamento.

Lembre-se de manter uma certa rotina de cuidados e atualizações do seu e-Commerce, organize tudo com muita disciplina, como se você estivesse dentro de uma empresa, que de certa forma não deixa de ser.

É importante ter essas horas direcionadas para o planejamento das novidades que o seu site irá oferecer, bolando estratégias de marketing, de vendas e promoções, além de encontrar meios de fazer com que o nome da sua marca e do seu produto esteja sempre em evidência em todos os lugares.
Você deve possuir uma abordagem bem ampla, pois na internet, os públicos acessarão o seu site são de pessoas com as mais variadas idades, profissões e interesses, devido a isto, é indispensável ter o seu público-alvo bem definido.

Mesmo que os negócios continuem sendo fechados e as vendas efetuadas enquanto você não está online, é importante acompanhar o seu empreendimento de perto.
Ninguém está livre de ter problemas técnicos em seu site, por exemplo, se uma loja física apresenta problemas nos pagamentos com cartão de crédito, ou em outras questões similares, não é o fim do mundo, pois o cliente na maioria das vezes possui alguma quantia em dinheiro para poder efetuar a compra, talões de cheque e afins, mas e no e-Commerce?
Se ninguém estiver acompanhando de perto, vendas serão perdidas, bem como lucro, já que o site pode estar apresentando essas falhas e se você não estiver ciente disso, enquanto o site ficar fora do ar, não existem meios de adquirir seus produtos.

Mas muito antes do site começar a funcionar é obrigatório que se tenha um plano de ação, onde você irá definir tudo o que você precisa saber sobre como montar uma loja online:

⦁ Seu produto;

⦁ Sua marca;

⦁ Seu público-alvo;

⦁ Sua abordagem no marketing;

⦁ O valor do produto;

⦁ Formas de pagamento;

⦁ Frete;

⦁ Lucro;

⦁ Estratégias de venda;

⦁ Promoções;

⦁ Formas de inovar o seu negócio;

⦁ Disciplina.

Definindo o produto: esse é o primeiro passo do seu planejamento, saber o que você quer vender. O produto escolhido não precisa ser o mais inovador do mundo, mas tem de trazer algum elemento que o diferencie da concorrência, para que sua empresa não se perca num mar de opções.
Ficar atento às tendências de e-Commerce em outros países é uma maneira de saber o que vai fazer sucesso aqui no Brasil em seguida.
Caso não consiga encontrar nenhum produto novo, e que ofereça algo diferente, terá de encontrar nas formas de pagamento ou de entrega algo que destaque sua empresa na multidão, este aspecto será aprofundado posteriormente.

Marca: Como você quer que seja a identificação e a imagem da sua empresa e do que ela está vendendo?
Seguindo a mesma linha do produto, sua marca só será notada se possuir um diferencial, ter uma logo criativa, um slogan chiclete e especialmente uma característica que a destaque, que faça com que as pessoas saibam de quem estão falando, sem nem precisar ler o nome da sua empresa.
A forma como você é visto tem que estar relacionada com a sua empresa e o seu produto, pois de nada adianta possuir um bom material gráfico e não condizer com a real ideia que o seu negócio deseja passar.

⦁ Público-Alvo: Dentro de uma mesma sociedade existem vários grupos, inseridos nesses grupos, mesmo que muito parecidas, as pessoas ainda são individuais.
Por isso, na hora de definir quem é o seu público-alvo, seja pessoal, amigo, para que o cliente se sinta especial, pois de fato ele é, já que comércio nenhum existe sem eles.
Cada um tem uma maneira de se comunicar, e fazer com que a sua marca se comunique com o seu público, por isso, é importantíssimo conhecê-lo, estudá-lo e observá-lo, para só assim conhecer quais são as suas necessidades, os seus problemas e conseguir oferecer a melhor solução. Afinal, quem mantém o seu e-Commerce funcionando é você, mas ele só continuará existindo se possuir quem consuma os seus produtos.

Marketing: Mesmo que grande parte dos proprietários de e-Commerce, e uma parcela de comerciantes de lojas físicas, não invista muito dinheiro nesta área do negócio e nem tempo na hora de criar um plano de ação para Marketing, é preciso dar uma atenção especial neste quesito caso se queira prosperar no e-Commerce.
Tão importante quanto escolher onde o seu produto será anunciado e em que formatos serão esses anúncios, é saber também que forma de marketing será usada.
É claro que no início é quase impossível contratar uma agência de propaganda para realizar esse tipo de trabalho, por conta dos custos extras que toda empresa possui no ato em que é aberta, mas na internet possuem vários cursos, textos e e-Books que podem lhe ajudar na hora do aperto, até que se tenha verba o suficiente para contratar ajuda de um profissional.

Valor do produto: Sempre que vamos comprar um produto, especialmente de maior valor, pesquisamos loja por loja atrás da mercadoria que melhor supra nossas necessidades, até que finalmente encontramos, no entanto, quando se está na internet, em alguns cliques os seus clientes conseguem achar algo similar ao que você oferece em seu site em outros locais, com o menor valor, ou não. Manter o seu preço na média é importante, no entanto, a qualidade do que você está vendendo é mais, ou seja, procure oferecer um preço bom aos fregueses, mas principalmente, faça da qualidade o seu diferencial.

Com a existência de sites como o “Reclame aqui” e a própria página da sua empresa nas redes sociais, existem formas de os clientes darem o feedback sobre os produtos que adquirem, de maneira tanto positiva quanto negativa, ficando exposto para aqueles que buscam mais informações sobre o seu produto, sendo decisivo na hora da compra.
Caso uma mercadoria entregue esteja com defeito, é um problema, mas pior que isso seria não arrumar nenhuma forma de tentar resolver esta questão para o seu cliente e nem de compensá-lo de alguma forma, isso pode acabar dando uma avaliação negativa para o seu site e fazer com que potenciais clientes que estavam interessados em consumir algo do seu e-Commerce desistam.

Pagamentos: A crise atingiu alguns setores da economia nacional, mas ao contrário dos consumidores de boa parte dos outros países, o brasileiro nunca deixa de comprar, ele apenas reduz uma parcela dos gastos. Por isso, uma boa alternativa é oferecer formas flexíveis de pagamento, com prazos esticados e juros baixos, para ir conquistando os clientes aos poucos, sem assustá-los com preços altos ou muita exigência na hora do pagamento.

Oferecer um desconto aos que optarem pelo pagamento a vista é uma boa forma de prender a atenção do internauta também.
Mas claro, tudo isso deve ser feito na medida que o seu orçamento permite, pois não se pode ficar nadando em dívidas para tentar atrair compradores, e ir recebendo o dinheiro de forma “pingada” enquanto as contas para pagar chegam como um enxurrada.

Frete: É indispensável no ato da compra que o cliente esteja inteirado sobre quem será o responsável pelo pagamento do frete, ele ou o e-Commerce. Caso seja o consumidor, quanto será o valor de acordo com a localidade onde ele vive e a forma que esta taxa será cobrada, além de quanto tempo ele terá que esperar até que suas mercadorias cheguem.
Uma entrega rápida deixa sua empresa em vantagem ante aos concorrentes, compradores do meio virtual são modernos, imediatistas e tem pressa de ter nas mãos o produto que namoraram por tanto tempo pela tela do computador, pesquisar mais a fundo sobre essas possibilidades é fundamental.

Lucro: Essa é uma das partes mais importantes, é o que irá manter o seu e-Commerce seguindo adiante, afinal todos nós precisamos de lucro.
Para conservar nosso negócio, pagar nossas contas e demais deveres como cidadãos. É importante ter em mente uma meta de quanto você quer que seja o seu faturamento e de onde você quer que esse dinheiro saia. Mais uma vez entra em cena o nosso velho amigo planejamento. Se a meta mensal traçada for atingida, aumente a do próximo mês, e assim por diante, caso não for, é indispensável encontrar a raiz do problema para que no próximo mês os objetivos propostos sejam ultrapassados, claro que ninguém nasce sabendo tudo sobre contabilidade.
Você não precisa enfrentar os números sozinho, se achar necessário busque ajuda profissional de um contador ou de consultorias financeiras.

Estratégias de venda: É fundamental se ter uma estratégia de vendas dentro do planejamento do seu e-Commerce. Saber que campanhas o site vai fazer, qual o preço que os produtos irão custar em que datas comemorativas que eles vendem mais, como no Natal, e também no dia das mães de acordo com o segmento do seu negócio.
Todos os conceitos que foram mencionados antes como conhecer e definir o seu público-alvo e os produtos ofertados, são ferramentas que podem auxiliar na hora de criar a sua estratégia de venda.

Sabendo de onde o seu cliente é, oferecer algo voltado à região dele eleva suas vendas, como por exemplo, se você possui uma loja virtual de roupas e tem um grande número de clientes na região sul e sudeste, nos meses de inverno, invista na divulgação de artigos para se usar no frio no seu site, em especial nas sugestões do público que se localiza nessas regiões.Quando encontramos algo que realmente precisamos temos uma tendência maior a comprá-lo, além de o brasileiro ter aquela velha mania de deixar tudo para a última hora.

Promoções: Dentro das estratégias de venda entram as promoções, que merecem uma atenção especial, junto com as boas condições de pagamento, o bom preço que ela traz é uma das melhores formas de se adquirir novos clientes e fazer com quem já se fidelizou à sua marca compre novamente.

Muitas vezes as empresas usam das promoções para conseguir se livrar de produtos antigos para dar lugar aos novos, transformando essas mercadorias em brindes, amostras grátis ou apenas usam dessa artimanha para conquistar mais compradores e lucrar um pouco com esses produtos, para pelo menos não perder dinheiro, mercadoria parada, é dinheiro parado.
Grandes empresas têm o costume de fazer promoções que chegam a causar um furacão no comércio, especialmente em grandes eventos internacionais, como Black Friday e afins.
Mais uma vez é necessário que os iniciantes tenham cautela ao tentar deixar seus preços parecidos com os das grandes empresas e em alguns casos até mais baixos, pois pode ser uma jogada muito perigosa.

Essas marcas de grande parte possuem um nome consolidado no mercado e detém um número significativo de clientes fiéis, por isso, no caso de alguma de suas promoções não termine com bons resultados, eles rapidamente se recuperam, graças ao nome consistente que possuem.
Além disso, empresas que não são tão conhecidas, sempre correm o risco de não vender o suficiente para cobrir o valor que deixaram de ganhar com as promoções em questão.

Inovação: Reinvenção é a palavra da década. Enquanto a maioria afirma que não precisa descobrir a roda novamente, saiba que a maioria está errada. Nos dias de hoje as empresas estão investindo muito em relação aos relançamentos de produtos antigos em novas fórmulas, formatos, embalagens, atribuindo novos usos à eles.
Por isso, não precisa quebrar a cabeça encontrando um produto novo, talvez a resposta esteja em um produto mais antigo que está precisando de um “up”.
Em relação à conectividade do seu site é muito importante que ele constantemente mude o seu modo de se apresentar, mas com cuidado para não perder a sua identidade, o seu diferencial, mas que tire o seu Comércio Virtual da mesmice de vez em quando.

Outra forma de inovação é investir em um formato mobile, segundo pesquisas, 45% dos acessos à internet no país são realizados por meio de dispositivos móveis e este número não para de crescer. É importante que o seu site não seja pesado e que seja ágil tanto em computadores quanto celulares, independente da forma de conectividade, sendo wi-fi ou dados móveis, as pessoas não tem mais tanto tempo de parar na frente de um computador em casa apenas para fazer compras.

Os consumidores virtuais querem resolver suas pendências a qualquer hora e em qualquer lugar, seja no ônibus ou metrô a caminho do trabalho, em um restaurante enquanto aguarda a comida, os internautas estão sempre conectados e ativos, e estar presente em todos os lugares que eles visitam e em todos os formatos que eles usam é fundamental para o aumento das suas vendas.

Disciplina: Não é porque você está trabalhando em casa que não será necessário ter disciplina.
Assim como em qualquer empresa, o proprietário de um e-Commerce deve dedicar algumas horas do seu dia para o crescimento do seu negócio, já que este é o único meio de geração de renda que você possui.

Muitas pessoas que tentaram trabalhar em casa não conseguiram em função de estar no conforto do lar e foram deixando o trabalho para depois, no fim o e-Commerce acabou não prosperando. Em virtude disso, se cria a cultura de que trabalhar em um Home Office e em um ramo consideravelmente novo, não é sinônimo de sucesso.

Por isso, horários bem organizados e metas a serem cumpridas em um bom cronograma são fundamentais. Trabalhar por conta é não ter um chefe, mas como o negócio é só seu e os lucros são só para você, é necessário ser o mais exigente dos patrões que já existiram, para que seu negócio cresça e gere receita

e-Commerce como atividade secundária de obtenção de lucros:

Tempo: Sim, o e-Commerce consegue se “vender sozinho”, enquanto você está no seu outro emprego ou realizando demais atividades, mas é necessário avaliar se você realmente possui algum tempo livre para iniciar o seu e-Commerce, já que essa atividade demanda dedicação e muita atenção.
Afinal, o site precisa ser constantemente atualizado, é necessário investir em marketing e divulgação e em eventuais manutenções, já que se o site cair ou acontecer algo do gênero e você não perceber, diversos negócios serão perdidos sem ao menos você notar.

Apoio: Uma opção para uma empresa de e-Commerce como atividade secundária é possuir um sócio, uma pessoa de confiança que possa ajudar ou algo do gênero, pois quando um dos donos não tem tempo de cuidar do negócio o outro cuida e vice-versa.
Mas fique atento, um não poderá ficar jogando as responsabilidades para o sócio, é necessária uma divisão justa de tarefas, sem culpar apenas um lado caso algo dê errado.

Organização: Para que qualquer negócio funcione, organização é fundamental. É comum que iniciantes no mundo das vendas se percam na hora de organizar a parte burocrática de seus comércios, pois lojas virtuais demandam a gestão de diversas atividades, como fazer o controle de estoque, os fornecedores, o transporte, a entrega das mercadorias e diversas coisinhas que quando somadas se tornam uma atividade extremamente cansativa.

Não raro os portadores dos e-Commerces recorrem a sistemas de gestão empresarial, especialmente aos que são do módulo web, para que assim como trabalhar, elas fazem a gestão dessas atividades diretamente do seu computador pessoal, ou de outros dispositivos que possuam conexão com a internet, de qualquer lugar.
Fazendo com que o negócio nunca saia do campo de vista do seu proprietário, se as vendas não tem hora, consultar a sua empresa também não deve se ater a um horário ou local em específico.

Descentralização dos lucros: Por maior que seja a tentação, é necessário pensar muito bem antes de tomar a decisão de largar o seu e-Commerce e ficar apenas com o seu emprego, ou de pedir demissão no lugar em que você trabalha para manter apenas o seu negócio virtual.
É imprescindível avaliar muito bem os lucros, comparar a situação financeira do seu e-Commerce de um mês para o outro e observar se você tem condições de realizar esta atividade como única fonte de renda.
É muito difícil manter duas atividades, mas deve-se pensar com muita sabedoria na hora de escolher uma delas, centralizar o lucro em um só dos ramos é muito arriscado, é necessário estudar o mercado e conhecer muito bem o seu Comércio Eletrônico, já que até então, ele era apenas uma opção de renda secundária.

Tendências para o futuro do e-Commerce:

Mobilidade: É importantíssimo investir em uma página que navegue bem por meio de dispositivos móveis, o número de pessoas que utiliza o acesso à internet desta forma aumenta cada vez mais, já que os smartphones e tablets estão em constante evolução tecnológica e em várias situações substituindo os computadores e notebooks.
Além disso, a internet móvel está aumentando o número de seus usuários, no entanto ela não possui a mesma potência do que uma banda larga ou wi-fi.
Estima-se que até o fim do ano 33% das compras realizadas na internet sejam feitas via smartphone ou outros dispositivos móveis, investir numa plataforma que se adeque a esta forma de navegação trará retornos positivos com o público que usa destes dispositivos para se conectar.

Atendimento personalizado: Quem não gosta de se sentir especial?
Quando se vai a uma loja e encontra além dos produtos que esperava, qualidade e bons preços é ótimo, mas ser atendido por um bom profissional, atencioso e educado, sem dúvida é um diferencial que os consumidores levam em conta.

Ninguém quer comprar no local mais barato do mundo se o preço for o péssimo atendimento. O mesmo vale para quando você tem uma loja virtual, é importante atender bem aos clientes, fazer com que eles encontrem com facilidade o produto que estão procurando, que após a compra, ter um bom suporte para atender as dúvidas ou ajudar a resolver eventuais problemas.
Outro artifício que você pode usar ao seu favor, é sugerir produtos ao seu cliente de acordo com o que ele já pesquisou ou comprou de você, assim, aumenta as chances de ele consumir novamente o que você está vendendo, ou encontrar nas sugestões algo que ache mais adequado às suas necessidades naquele momento.

Facilidades no pagamento: Todo mundo quer flexibilidade na hora de pagar, quanto mais opções forem oferecidas na hora do pagamento, mais clientes vão ter interesse de comprar.
Aceitar cartões de várias bandeiras, bons prazos para pagamento, condições, descontos, sendo em crédito, débito, cada um paga de acordo como mais lhe apetece.
Muitos negócios são perdidos pelo fato de o site não oferecer as formas de pagamento adequadas a determinados clientes.Pesquise sempre se existe alguma maneira nova de pagamento, para que os clientes que a utilizam possam comprar no seu site, e aos que ainda não utilizam, vejam que você está por dentro das novidades tecnológicas, se destacando entre a concorrência, pois hoje em dia, apenas gerar boleto não é o suficiente para conquistar fregueses e manter os que já possui.

Escolha de produtos relevantes: Não adianta ter um bom produto, que você ame, mas que ninguém além de você e um seleto grupo de pessoas tenha interesse, ainda mais no começo, quando se tem que priorizar as vendas e agregar o maior número de clientes possíveis até consolidar o seu nome no mercado. Uma boa forma de ver o seu e-Commerce se desenvolver de maneira positiva é entender o que as pessoas querem consumir.

Itens de telefonia e tecnologia, como estão em constante atualização, as pessoas tem comprado bastante, além dos mesmos possuírem um custo alto, o lucro pode provir da venda de poucas unidades, sem falar que um celular de última geração vendido hoje, amanhã não será mais tão tecnológico assim, e em seguida o público consumidor deste tipo de produto comprará novamente.
Os consumidores procuram por roupas e acessórios em lojas virtuais voltadas a moda, bem como produtos e serviços em beleza, este mercado apesar de possuir grande procura, é pouco explorado por e-Commerces que atendem o público masculino deste segmento, sendo um bom nicho de mercado para quem ainda não sabe em que ramo investir.

Sustentabilidade: Uma boa forma de conquistar os clientes é através da sustentabilidade e preocupação com o meio ambiente.
Com os grandes danos que o nosso planeta vem sofrendo, empresas que oferecem iniciativas voltadas à preservação são mais valorizadas pelo mercado consumidor.
Investir em embalagens biodegradáveis, ou em produtos feitos com materiais reciclados e que se decompõe facilmente após o fim da sua vida útil, é uma ótima maneira de chegar perto dos clientes ambientalistas, e claro, ajudar nosso planeta.

Ferramentas de apoio na gestão de e-Commerce:

Montar o site que servirá de vitrine para os seus produtos e será o palco das suas negociações de e-Commerce é fácil, vender nem tanto. Mas e quando o número de clientes cresce?
Isso é ótimo, mas o trabalho aumenta na medida que os lucros vão subindo, assim como a demanda de produtos, e as tarefas que antes eram realizadas com facilidade, como trabalhar com as transportadoras e os pagamentos dos produtos o que acaba tomando muito tempo, tempo que poderia estar sendo utilizado na administração da sua loja virtual ou em outras maneiras de fazer com que seus lucros cresçam.

Quando uma pessoa compra um produto na internet, presume-se que ela goste de agilidade e rapidez na entrega dos seus serviços, por isso, se você começar a atrasar as suas entregas, ou ficar muito tempo sem atualizar o seu site com novidades, os internautas vão perder o interesse no seu e-Commerce.
É sempre melhor passar uma situação dessas ao lado de uma pessoa de confiança, mas nem sempre teremos um amigo 100% disponível para realizar esta atividade conosco e contratar um funcionário implica muita burocracia.

Muitas lojas físicas, para diminuir gastos e ganhar em tempo e organização, optam pela informatização dos processos organizacionais, por meio de planilhas de Excel ou de sistemas de gestão empresarial, também conhecidos como ERP.
A diferença entre contratar um funcionário para ajudar na organização e gestão do seu e-Commerce e entre contratar um sistema organizacional, é que quando uma pessoa realiza uma atividade ela está mais suscetível a cometer erros, a falha humana é um grande problema nos negócios.

Além de uma planilha de controle ou sistema exigir bem menos capital que um funcionário, que terá de trabalhar uma quantidade de horas diárias pré-estabelecidas, enquanto o ERP está 24h por dia, o ano inteiro disponível para você.
É importante lembrar que soluções tecnológicas não erram, mas falhas humanas também podem colocar todas as informações que até eram precisas, em risco se a pessoa que está responsável por esse processo não estiver atenta na hora de lançar as informações, é indispensável que as pessoas que usarem o sistema para o seu e-Commerce estejam bem treinadas em relação a sua utilização e aproveitem ao máximo as suas funções.

Como utilizar um ERP para a gestão de um e-Commerce?

Logo de cara, na hora de escolher a plataforma do seu e-Commerce, é preciso conferir se ela é compatível com os sistemas de gestão disponíveis e que você já tenha certo interesse de implantar na sua loja virtual após algum tempo.
Assim como no momento de escolher um ERP para uma loja física, é indispensável observar se ele se enquadra com as necessidades do seu e-Commerce, se ele possui todas as funções que serão necessárias na gestão completa do seu negócio.

Além disso, o ERP em questão deve acompanhar as evoluções e atualizações que acontecem, a empresa que o oferece deve também fornecer uma forma de treinamento, para que você consiga aproveitar ao máximo de todas as funcionalidades do seu sistema e entender de maneira clara a utilidade de cada função.
Se sua empresa já possui interesse em iniciar muito bem organizada, opte por um Sistema de Gestão Empresarial que contenha uma plataforma de e-Commerce grátis, para que esteja tudo integrado.

Um ERP possui a função de gestão de estoque, onde é possível retirar informações da entrada e saída de produtos, o que precisa ser pedido ao fornecedor, logística de distribuição para a entrega dos produtos aos clientes, o cadastro dos próprios clientes, bem como das empresas que lhe fornecem produtos, além de cuidar do seu financeiro otimizando o fluxo de caixa.
Observar se a empresa que está oferecendo o ERP também é bem cotada no seu meio de atuação é um bom critério na hora de eleger a sua melhor opção de Sistema para Gestão Empresarial.

Conheça o ERP para e-Commerce da Ren9ve:

A Ren9ve Softwares conta com ERP’s voltados à vários tipos de negócios dos mais diversos segmentos e possui um sistema feito para o e-Commerce, uma das áreas que mais crescem dentro do comércio mundial, que requer atenção especial e um módulo de sistema específico para as suas necessidades.
Além do ERP, a Ren9ve também oferece própria plataforma de e-Commerce, fazendo com que ela funcione em perfeita sintonia com o Software de organização empresarial, design único, e diversas integrações indispensáveis no dia a dia das empresas de e-Commerce, como:

Pag Seguro: É uma empresa adquirente multibandeira, e uma das responsáveis pela captura, transmissão e liquidação financeira de transações com cartões de débito ou crédito, no meio físico, através de suas maquininhas ou no meio eletrônico por meio dos pagamentos online. É o meio onde o grupo UOL mais tem faturado atualmente.

Mercado Livre: Proveniente da Argentina, a plataforma é completamente voltada ao comércio eletrônico, onde é possível comprar, vender, anunciar e enviar produtos através da internet. Está presente em 19 países e possui mais de 4 mil funcionários, sendo a mais conhecida plataforma deste segmento.

PayPal: Nativa dos Estados Unidos, opera um sistema de pagamentos online mundial, onde é possível realizar transferências de dinheiro online, sendo uma alternativa eletrônica para métodos clássicos de papel.

Google Analytics: é uma ferramenta gratuita oferecida pelo Google, onde é possível monitorar as visitações que a sua página recebe na internet. É viável ativar esse serviço através de uma conta Google, onde se recebe um código para inserir na página cadastrada para que essa informações sejam enviadas, para ter um maior controle de quem acessa, quando, onde e como e investir nesse público.

Cielo: é também uma adquirente multibandeira, nasceu no Brasil, líder no segmento na América Latina em termos de volume financeiro de transações e é uma das responsáveis pelo credenciamento brasileiro a sua rede de pagamentos e afins.

Rede: a antiga RedeCard faz parte do grupo Itaú Unibanco, trabalha com cartões de débito e crédito das bandeiras Visa, Mastercard, Elo, American Express, HiperCard, Hiper, Diners Club Internacional, Cabal, Discover, China Union Pay, e de cartões para benefício de refeições, alimentação, combustível, premiação e outros, das bandeiras Cabal Vale, GreenCard, BNB Clube, entre outros. Além disso, também oferece máquinas de cartão de crédito e débito, carteira digital e serviços.

ClearSale: É uma empresa nacional de softwares de gerenciamento de fraudes. A mesma possui escritórios em algumas cidades dos Estados Unidos.
A plataforma realiza o rastreamento dos pedidos enviados aos sites pelos clientes do e-Commerce que contrata os serviços do Clear Sale, e classifica nos riscos de fraude determinados de acordo com cada comprador, se caso esse computador teve seu cartão roubado ou clonado, esse software consegue identificar de maneira precisa e rápida.

Buscapé: é um site de busca de produtos e preços, de uso gratuito, bem como um centro de comércio virtual, onde se pode comprar produtos de diversas lojas desde a segunda metade do ano de 2017. O site recebe mais de 60 milhões de acesso todos os meses e possui 25 milhões de produtos para comparação.

Google Shopping: Como o nome já diz, é uma ferramenta Google, que a partir do ano de 2012, seu serviço que até então era gratuito, passou a ter um custo para quem estivesse interessado em expor seus produtos neste espaço.

Nuvem Shop: é uma plataforma de e-Commerce completa que permite que você tenha a sua própria loja online e venda os seus produtos pela internet facilmente.
É possível dentre as várias opções disponíveis, escolher o layout e as cores que mais combinam com o estilo de negócio que você está abrindo. Também é possível incluir banners com informações e promoções e adicionando o logo da empresa. Você também pode escolher as formas de pagamento e de entrega.

Correios e Transportadoras: Os produtos vão ter de chegar de alguma maneira até o seu destino final, o consumidor. Por isso, ter um ERP onde seja possível se conectar com aqueles que realizam o último passo para a efetivação do negócio, é indispensável.

IntegraCommece: Coloca o seu negócio nos melhores Market Places do país, gerando maior visualização dos seus produtos e consequentemente mais vendas, fazendo com que aqueles que estão começando no ramo tenham mais chances de serem vistos pelos seus futuros clientes.

e-Commerce e Legislação:

Independentemente de físico ou virtual, quando se decide abrir o próprio negócio é necessário estar inteirado da legislação que premeia essas formas de comércio.
Quando o assunto é e-Commerce, as leis que envolvem este mercado são semelhantes às do comércio físico, porém com algumas ressalvas.

A Lei do e-Commerce surgiu através do Decreto Federal 7.962/13, publicada no Código de Defesa do Consumidor, entrando em vigor em maio de 2013.
Esta Legislação é válida para todos os comerciantes eletrônicos, indiferente ao tamanho da sua loja, todas seguem as mesmas regras, seja esse comércio aberto ontem, seja esse comércio representante de uma grande marca e esteja no ar há muito tempo.
É válido ficar alerta nas três Leis prioritárias deste Decreto Federal:

⦁ Transmitir informações claras e visíveis;
⦁ Atendimento com agilidade e eficiência;
⦁ Direito de arrependimento da compra.

Seguir estas regras é importante não apenas para estar dentro da Lei, mas para que os consumidores tenham uma imagem mais positiva em relação ao seu comércio eletrônico, fazendo com que ele sinta uma maior segurança e encontre o que ele precisa com mais facilidade.
É obrigatório que o endereço físico que a empresa foi registrada judicialmente esteja no rodapé de todas as páginas do seu e-Commerce, além de telefone para contato, sua Razão Social e CNPJ, no topo ou rodapé.

Possua pelo menos um número de telefone para contato (além de estar dentro da legislação, o consumidor também sente uma maior segurança no seu site, quando lhe é disponibilizada uma maneira de contato direto), publicar um email ou formulário de contato.

Também é dever do proprietário do comércio eletrônico descrever os produtos com mais detalhes e clareza possível, pois o cliente não tem contato com o produto que está adquirindo.
Sua descrição deve ser o mais próxima da realidade possível, além de informar sua aparência e os materiais que estas mercadorias são compostas, deve-se ter as instruções de uso, lavagem, manutenção e conservação deste produto.

Ainda mais importante do que tudo o que foi mencionado, são as formas de pagamento, que devem ser informadas com o máximo de detalhes e clareza possível, os consumidores não podem ter nenhuma dúvida em relação a este processo.

Especifique também quando existe alguma taxa que não está inclusa no valor total do produto, como seguros e afins, assim como o detalhamento da entrega, seu prazo e seus custos.
Utilize-se sempre de uma linguagem coloquial e que seja do entendimento de todos os tipos de públicos, independentemente de sua idade, escolaridade, localidade e demais dados demográficos.
Evite ao máximo termos técnicos que apenas uma pequena parcela das pessoas que veem o seu produto compreendem.

O contrato de compra também deve ser disponibilizado na íntegra em uma das páginas do seu e-Commerce, além das especificações de ofertas e promoções que a sua loja virtual tenha a possibilidade de realizar, que deve contar todos os detalhes.
Adicionar a opção de excluir compras do carrinho do cliente e mostrar com clareza o que ele está adquirindo. Sempre confirmar a compra após o cliente efetuar o pagamento, além de ter claras as informações sobre trocas e devoluções de mercadorias.

Também deve ser de fácil acesso ao cliente, o local onde ele pode alterar as suas informações de telefone, cartão de crédito e afins.
A Lei condiciona os lojistas virtuais a terem alguma forma de suporte aos clientes disponível 24h por dia, como os custos para manter uma Central de Relacionamento com o Cliente nesse período é muito alto.

Os e-Commerces optam pelo desenvolvimento de páginas dentro do site que explique os procedimentos básicos, regras de compra e demais informações referentes a dúvidas que o seu consumidor possa ter, conhecida como FAQ, em que o cliente realiza um auto atendimento a hora que quiser e puder.
Uma grande diferença entre o comércio físico e o comércio virtual é a lei do arrependimento, onde o cliente tem 7 dias após o recebimento do produto para desistir da compra e ser reembolsado.
A parte que vendeu este produto não pode cobrar o cliente de forma alguma e apenas deve recolher o produto enviado e devolver integralmente o dinheiro gasto por este consumidor, ficando responsável por todos os gastos com o transporte dessa mercadoria também.

A Legislação também aponta que esta opção deve estar visível no site também.
Fica em encargo da empresa possuir um certificado digital, caso seja necessário incluir informações pessoais dos consumidores em seu site.
A Lei da Transparência também se aplica ao comércio eletrônico, obrigando esses comerciantes a detalhar nas notas fiscais os tributos que estão sendo pagos nesses produtos.
Caso algum dos itens seja descumprido as consequências podem ser multas, apreensão de mercadorias, ou demais intervenções ainda mais pesadas contra o estabelecimento.

Para se ter um panorama mais amplo referente a este assunto, consulte também o Código de Defesa do Consumidor, direcionado ao comércio virtual, assim como um advogado de sua confiança, em caso de dúvidas.

Nós da Ren9ve Softwares ofertamos o que há de mais moderno no mercado, que possa trazer mais comodidade a você e funcionalidade ao seu negócio. Há muito mais sobre o nosso ERP que ainda não falamos mas estamos disponíveis para você!

Dúvidas? Estamos aqui para esclarecer todas, esperamos o seu contato.

Veja Também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *